Varicocele: Causas, Sintomas e Tratamentos!
4 de setembro de 2017

Varicocele: Causas, Sintomas e Tratamentos!

Para alcançar maior qualidade de vida, é preciso realizar visitas periódicas ao médico e levar uma vida saudável. São muitos os casos em que uma doença poderia ter sido evitada ou totalmente tratada se o paciente tivesse se cuidado melhor.

Existem doenças como a varicocele, por exemplo, que são silenciosas e ainda causam danos irreversíveis. A varicocele atinge os vasos testiculares, ocasionando a dilatação das veias do cordão que sustenta os testículos, prejudicando a fertilidade masculina.

Entenda as causas, os sintomas e os tratamentos para esse diagnóstico que acomete de 70 a 80% os homens com infertilidade secundária.

Causas da varicocele

Ainda não se sabe ao certo as causas dessa doença – ou pelo menos ainda são demasiadamente discutidas no meio médico -, mas a explicação mais aceitável baseia-se no fato dos testículos precisarem manter-se em uma temperatura de 1,5 a 2,0ºC mais baixa que a do corpo masculino para pleno funcionamento. Entenda aqui nesse artigo as causas mais detalhadamente.

Principais sintomas da varicocele

Essa doença pode ser silenciosa ou não, dependendo do seu grau de desenvolvimento:

  • Grau I varicocele pequena, sendo palpável apenas com aumento da pressão abdominal, como tossir ou assoprar contra uma resistência;
  • Grau II – varicocele de tamanho médio, sendo facilmente palpável;
  • Grau III – varicocele grande, palpável e facilmente visível.

Normalmente, a variz costuma ocorrer do lado esquerdo do escroto, podendo apresentar:

  • Dilatação das veias no saco escrotal, facilmente notada quando o homem está em pé (uma vez que, na posição deitada, o sangue se desloca para cima, tornando-se praticamente imperceptível a dilatação);
  • Dor e sensação de peso no testículo (devido ao acúmulo do sangue preso);
  • Sinais de infertilidade (parâmetros seminais inferiores e, em casos mais raros, disfunção erétil, que pode ocorre no grau III da doença);
  • Atrofia do testículo (devido à dilatação das veias, que se formam no cordão espermático dos testículos).

Um exame físico realizado pelo urologista é o mais importante para o diagnóstico, e o ultrassom escrotal pode ser fundamental para confirmação, já que as imagens precisas das estruturas são capazes de revelar mais detalhes, essenciais para o médico eliminar possíveis outras causas.

Tratamentos disponíveis

Nos casos mais brandos (grau I), são utilizados medicamentos por via oral e/ou um suspensório escrotal durante as atividades físicas.

Quando o paciente apresenta sintomas de dor (grau II), infertilidade ou sinais de atrofia do testículo (grau III), a cirurgia de correção é indicada (realizada na região da virilha com o auxílio de um microscópio).

Outra alternativa disponível para o paciente que chega a precisar de uma cirurgia é a embolização, um processo não cirúrgico, semelhante a um cateterismo, no qual não é preciso anestesia geral (na maioria das vezes apenas sedação) e possui duração de uma hora, aproximadamente. Esse procedimento é mais novo.

Após o tratamento, o homem deve realizar o exame espermograma para o médico avaliar o resultado e acompanhar seu desenvolvimento.

Tenho varicocele avançada: posso ter filhos?

O tratamento cirúrgico pode manter ou melhorar a qualidade do sêmen, mas a produção adequada dos espermatozoides já não retorna à normalidade devido ao tempo da doença. Nesses casos, o tratamento a Fertilização in Vitro e a inseminação artificial são altamente indicadas. Lembrando que o médico avaliará o histórico e as condições do casal para determinar a melhor alternativa.

Diferentemente do que muitos pensam, a varicocele acomete principalmente os mais jovens, por isso, é essencial ir ao Urologista desde a adolescência. Deixe os mitos de lado; sua saúde deve estar sempre em primeiro lugar.

Gostaria de mais informações casos de infertilidade masculina? Leia este artigo e saiba tudo sobre o assunto.

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS