Clínica de fertilização procriar
27 de junho de 2018

Procriar: como os tratamentos de fertilidade facilitam o sonho da gravidez

Procriar: sinônimo de gerar vida, “dar nascimento a”, germinar, multiplicar. Quando uma mãe fala que a gestação é mágica, acredite! É mesmo! Imagine um ser humano se desenvolvendo e crescendo em você? Ser mãe é florescer em amor.

O sonho da gravidez, no entanto, pode estar diretamente relacionado à adoção de tratamentos de fertilidade, já que muitos casais possuem dificuldades para engravidar.

Nesse processo em busca da gravidez, tão sensível e especial, o papel da clínica de fertilização ganha relevância. É que não estamos falando somente em laboratórios, exames e procedimentos médicos. Estamos falando de um local que deve estar preparado para acolher o seu sonho e da sua família, cuja responsabilidade é grande, e deve ser levada a sério.

Os principais tratamentos de fertilidade possuem altos índices de sucesso, mas o resultado positivo também depende do profissionalismo e envolvimento das equipes médicas. Conheça quais são os tratamentos disponíveis que podem ajudar você a tornar seu sonho uma realidade. Saiba, ainda, o que observar na hora de escolher uma clínica de fertilização.

Procriar: quais são os tratamentos de fertilidade mais conhecidos

O primeiro deles é, sem dúvida, a fertilização in vitro (FIV), e você já deve ter ouvido falar sobre esse tratamento. Recentemente, com a gravidez da Ivete Sangalo, a FIV ficou ainda mais conhecida.

Também conhecida como “bebê de proveta”, trata-se da fertilização realizada em laboratório. Dessa maneira, os óvulos são retirados do corpo da mulher e é feita a coleta de espermatozóides para, assim, realizar a fertilização.

Indicada quando alguma condição está impedindo o processo de fertilização, como problemas nas trompas de falópio da mulher ou mesmo baixa produção ou movimentação de espermatozoides, a FIV possui altas taxas de sucesso.

Inseminação artificial é o mesmo que FIV?

Não, mas é comum as pessoas confundirem. No caso da inseminação artificial, os óvulos não são retirados do corpo da mulher. Os espermatozóides são depositados em um catéter no ambiente uterino, próximo às trompas, como na fertilização natural.

Sendo assim, a inseminação artificial é mais indicada para casos mais leves de infertilidade, como alterações no espermatozóide ou mesmo o diagnóstico de endometriose leve, que dificulta o processo de fecundação.

Preservação da fertilidade para procriar: o que fazer?

Ainda existem métodos de prevenção da fertilidade. Homens e mulheres estão cada vez mais se programando para ter um filho. As mulheres perceberam que, com o avanço da medicina, podem adiar o sonho da maternidade.

Com a idade avançada, os óvulos perdem a qualidade e, com isso, a dificuldade de ter um filho. O congelamento de óvulos consiste em um procedimento simples, baseado na estimulação ovariana, a coleta e a vitrificação (que mantêm os óvulos congelados).

Além de ser um meio de escolher o melhor momento para aumentar a família, o congelamento de óvulos ainda preserva a fertilidade de mulheres com histórico de menopausa precoce, pacientes oncológicas ou mesmo com endometriose.

Como escolher uma clínica de fertilização?

O ato de procriar é um dos mais importantes da vida de uma mulher. Então, se você está à busca de uma clínica, além de procurar saber sobre as tecnologias do local, das taxas de sucesso e da satisfação de outros clientes, perceba se você se sentirá bem acolhida e se lá possui atendimento personalizado.

Como dissemos, esse momento vai muito além de apenas procedimentos médicos. Você vai precisar de suporte humanizado e um local de confiança. Confira dicas completas sobre como escolher uma clínica de fertilização.

O Ibrra realiza, há mais de 15 anos, os sonhos de milhares de famílias. Isso porque conta com a mais alta tecnologia, os melhores profissionais e um atendimento 100% humanizado. Conheça os tratamentos disponíveis no Ibrra, responsáveis por construir lindas histórias e famílias!

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS