Ovulação tardia
25 de janeiro de 2018

Ovulação tardia: por que e como ela acontece

O atraso da menstruação pode ter diversos significados: para quem está tentando engravidar, um sinal de que um neném pode estar caminho; para quem ainda não está preparada, um susto, e para quem deseja engravidar mas enfrenta problemas, uma coisa boa ou ruim, já que a menstruação desregulada é um dos principais motivos da infertilidade.

Poucas mulheres sabem que, muito além da menstruação irregular, existe a ovulação tardia, a principal causadora do atraso menstrual, que também influencia diretamente no período fértil da mulher, podendo prejudicar a gravidez. Entenda logo a seguir o que é ovulação tardia, quais são os sintomas e como ela impacta na fertilidade feminina.

O que é ovulação tardia

Para entender o que é ovulação tardia, é necessário saber como se dá o ciclo menstrual, incluindo o período normal da ovulação. Considerando um ciclo de 28 dias, o período fértil ocorrerá no meio dele, em torno do 14° dia (pode variar até o 16°), quando acontece a ovulação, ou seja, antes da próxima menstruação. Esse ciclo pode ser considerado normal.

Uma ovulação tardia, no entanto, consiste na ovulação após o período esperado, como, por exemplo, a partir do 21º dia do ciclo menstrual com 28 dias. Mas, lembre-se, com o período tardio de ovulação, você pode ter um ciclo menstrual mais longo.

“Mas como saber se tenho ovulação tardia?”.

O primeiro sintoma é o atraso da menstruação, então você precisa observar seu corpo neste texto “Calcular período fértil: 4 apps para engravidar” te contamos como acompanhar seu ciclo de maneira prática.

Ah, e lembrando que, ao engravidar, o exame pode demorar um pouco mais para apontar a gravidez, já que a ovulação foi tardia.

Os outros sinais de ovulação tardia são muito parecidos com o de uma ovulação no tempo normal:

  • Muco vaginal com aspecto de clara de ovo;
  • Aumento da temperatura corporal;
  • Aumento da libido (desejo sexual); dor na região pélvica;
  • “Pontadas” em um do ovários.

Você ainda pode descobrir ao medir a temperatura basal ou mesmo realizando testes de ovulação até que se tenha um resultado positivo ou mesmo para identificar um ciclo anovulatório, ou seja, sem ovulação.

Principais causas da ovulação tardia

As causas podem ser várias ou mesmo não identificadas. Mas as principais são:

  • Problemas hormonais: o corpo desregula a liberação de hormônios que regem o ciclo menstrual;
  • Tratamentos com a ingestão de hormônios, que também podem desequilibrar os responsáveis por esse processo;
  • Ovários policísticos, que geram irregularidade na menstruação.

A desvantagem da ovulação tardia é a impossibilidade de acompanhar, com certeza, o seu período fértil. O que pode prejudicar tanto a tentativa de engravidar, quanto o uso da tabelinha como método contraceptivo.

Ovulação precoce: também existe?

Sim, e como você deve imaginar, o cálculo é o seguinte: se você está ovulando antes do 11° dia, sua ovulação pode ser considerada precoce. Para descobrir se essa situação se aplica a você, siga os mesmos passos que te ensinamos anteriormente no caso de ovulação tardia.

Para todos os casos, se há alguma irregularidade no seu ciclo, você precisa procurar a ajuda de um especialista, pois esse é um forte indício de que algo não vai bem com a saúde.

Quem está tentando engravidar, então, precisa de um acompanhamento ainda mais próximo para saber, dentre outras questões, a data exata do seu período fértil. Falando nisso, que tal entender sobre o seu período fértil? Confira este artigo que preparamos para você!

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS