O que é FIV
19 de abril de 2019

Como funciona a Fertilização In Vitro (FIV)?

Viver uma gestação é o sonho de muitos casais. Planejar esse momento, ter a doce surpresa de ver um exame dar positivo, compartilhar a notícia com os familiares e preparar cada detalhe para a chegada do bebê é realmente especial. Momento como as compras do enxoval, o chá de fraldas, a montagem do quartinho, entre outros, parecem simples, não é mesmo? Mas eles são extremamente significativos!

No entanto, infelizmente, para uma parcela de casais, esses momentos acabam se tornando um sonho distante. Você sabia que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil 1 em cada 10 casais apresenta problemas de fertilidade? No mundo, o número de pessoas com dificuldade para engravidar é de aproximadamente 60 milhões.

A boa notícia é que a medicina reprodutiva não para de evoluir e, a cada ano, aprimora as  técnicas que visam a gravidez em casais inférteis. Um dos tratamentos mais tradicionais e mais realizados atualmente é a Fertilização in vitro, conhecida como FIV.

Afinal, o que é FIV?

A Fertilização in vitro ou FIV é um procedimento médico em que a fecundação do gameta feminino e masculino ocorre em laboratório. A técnica é popularmente conhecida como “bebê de proveta”, já que a proveta é um dos instrumentos utilizados no laboratório de embriologia. Atualmente, a FIV (Fecundação in Vitro) conta com diversas técnicas: a convencional cujo, a ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides), e a mais recente e moderna, FIV PGD.

O passo a passo do tratamento

1 – ESTIMULAÇÃO OVARIANA

Para atingir melhores taxas de êxito com a FIV é necessário estimular os ovários com injeções diárias de hormônios, durante o período que pode variar entre 7 e 10 dias. Neste caso os ovários irão produzir mais de um óvulo, visando obter vários pré-embriões.

2 – PUNÇÃO E FECUNDAÇÃO

Através de ultrassonografia e análises hormonais é possível comprovar que os folículos, onde encontram-se os óvulos, estão no tamanho adequado. A partir deste momento aplica-se a última injeção para induzir que os óvulos amadureçam. Exatamente 36 horas após esta injeção, a paciente é levada ao bloco cirúrgico onde os óvulos são captados e levados diretamente ao laboratório. Este procedimento é totalmente indolor, já que a paciente é levemente sedada. No laboratório os óvulos serão colocados em contato com os espermatozoides. Os pré-embriões obtidos serão observados entre o período de 2 até 5 dias, para então serem transferidos ao útero.

3 -TRANSFERÊNCIA EMBRIONÁRIA

Após rigorosa avaliação dos pré-embriões, é decidido diretamente com o casal a quantidade que será transferida. A transferência de embriões é totalmente indolor, realizada com a paciente acordada, com duração que pode variar entre 10 e 15 minutos. Os pré-embriões excedentes são congelados, sendo que os bloqueados são descartados.

4 -CONGELAMENTO DE PRÉ-EMBRIÕES

Os pré-embriões excedentes e de boa qualidade são congelados através da técnica de Vitrificação, utilizando o método Cryotop. Estes pré-embriões também podem ser utilizados posteriormente

As chances de sucesso

A FIV (Fecundação in Vitro) apresenta chances de sucesso que podem chegar a 60% em cada tentativa. Os principais fatores que influenciam o resultado são: a idade da mulher (sendo que antes dos 37 anos ocorrem as maiores taxas de sucesso) e o tempo de infertilidade. Aqui no Ibrra, 95% de nossos pacientes engravidam realizando, no máximo, três tentativas. Essa taxa de sucesso deve-se a uma abordagem individual e humanizada, participando toda a equipe ativamente de todo o processo, sempre ao lado dos pacientes.

Em quais casos a FIV é recomendada?

As principais indicações médicas para a FIV são:

  • Bloqueio das trompas de falópio, também conhecido como tuba uterina, o que impede a passagem do espermatozoide;
  • Baixa produção de espermatozoides ou movimentação dos mesmos;
  • Falha de 2 a 3 ciclos de inseminação artificial;
  • Idade materna avançada no caso de mulheres com 38 anos ou mais;
  • Baixa liberação de óvulos;
  • Diagnóstico de endometriose;
  • Aderências pélvica com distorção da arquitetura da anatomia, impedindo a ligação do embrião;
  • Mulheres que fizeram ligadura das trompas, procedimento que impede a passagem do espermatozoide e consequentemente a fecundação do óvulo;
  • Homens que fizeram vasectomia, procedimento que impede que o homem libere o espermatozoide.

Ainda tem dúvidas sobre o que é FIV? Então faça o download do nosso e-book sobre o assunto.

 

COMENTÁRIOS