Clínica de medicina reprodutiva: vale a pena?
8 de junho de 2017

Clínica de medicina reprodutiva: vale a pena?

Muitas pessoas que possuem dificuldade para engravidar  se perguntam se vale a pena recorrer a uma clínica de reprodução humana. Alguns receios e mitos relacionados à reprodução assistida bloqueiam o desejo de realizar essa escolha.

É natural sentir-se receoso, ter dúvidas a respeito de métodos como a Fertilização In Vitro (FIV) e se realmente vale a pena procurar por uma clínica. Afinal, o momento é delicado e essa decisão pode mudar sua vida.

Sabendo disso, fizemos este artigo especialmente para você refletir a respeito do assunto. Confira com a gente!

Motivos para procurar uma clínica de medicina reprodutiva

Se você apenas escutar seu coração, saberá que o sonho de ter um filho é forte dentro de você. E existe motivo maior que esse? O importante é fazer boas escolhas para que seu sonho seja realizado no melhor ambiente possível.

Dos tratamentos de reprodução assistida realizados em todo o mundo, a Fertilização in vitro (FIV) é a mais utilizada. Só no Brasil, em 2013, foram registradas mais de 52 mil, e a taxa média de fertilização foi de 74% (percentual adequado aos padrões mundiais, de 65% a 75%), segundo a Anvisa.

A taxa de desenvolvimento de blastocisto, embrião em quinto dia de vida, varia de 30 a 50%. Essa é a realidade mundial. Com o avanço da medicina e das clínicas de reprodução humana, as chances de engravidar estão cada vez mais altas.

Quando buscar uma clínica de reprodução humana

Quando o casal está há mais de um ano tentando engravidar ou se já foi identificada a infertilidade no casal, é o momento de recorrer aos métodos de uma clínica. Alguns casos principais:

  • Se a mulher tem mais de 35 anos e mesmo após seis meses de tentativa ainda não conseguiu engravidar;
  • Mulheres com ciclos menstruais irregulares (intervalos com menos de 25 dias ou mais de 35 dias);
  • Histórico de síndrome de ovários policísticos ou cólicas menstruais intensas;
  • Casos em que houve mais de dois abortos;
  • Homens com problemas de ereção ou ejaculação;
  • Veias da bolsa testicular dilatadas;
  • Registro de distúrbio na tireoide.
  • Caso de endometriose
  • trompas obstruidas
  • abortos de repetição
  • vasectomia e outras.

Como escolher a clínica ideal?

É essencial que você escolha uma clínica com recursos tecnológicos modernos e que apresente soluções completas para você. Afinal, a sua saúde é a questão central, e precisa estar em boas mãos.

Atente-se aos seguintes pontos ao realizar sua escolha da clínica:

  • Preparo técnico da equipe (saiba se o médico é especializado em reprodução humana, possui títulos de Ginecologia e Obstetrícia e saiba se o local possui um bom embriologista);
  • Qualidade da clínica (equipamentos, instalações e ambiente);
  • Se ela investe no aprimoramento de novas técnicas e no desenvolvimento de pesquisas científicas;
  • Repare se ela possui atendimento humanizado;
  • Confira se possui serviço completo (desde técnicas mais simples como a inseminação artificial até as mais complexas, como a FIV PGD).

Sobre a qualidade tecnológica, saiba o que há de mais atual no mercado da medicina reprodutiva:

  • Controle da atmosfera dentro da incubadora;
  • Manipulação de células com micromanipuladores mais precisos;
  • Lentes mais eficazes nos microscópios, que permitem seleção do melhor gameta masculino;
  • Imagem em tempo real (“time-lapse”): espécie de “câmera” que filma o desenvolvimento embrionário, possibilitando avaliar o embrião dentro da incubadora, além de manter a temperatura e a atmosfera controladas;
  • Congelamento de gametas e embriões.

Saiba que o Ibrra acolhe famílias que precisam de ajuda para realizar o sonho de ter um bebê e investe nas mais altas tecnologias e tratamentos para possibilitar a melhor experiência nesse momento único da vida.

Você ainda tem dúvidas sobre o assunto? Deixe suas perguntas nos comentários ou entre em contato conosco. Adoraremos ajudar você!

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS