Azoospermia: O que é e como influencia a fertilidade
21 de julho de 2017

Azoospermia: O que é e como influencia a fertilidade

Você sabe o que é azoospermia? A azoospermia pode ser uma das tantas causas possíveis da dificuldade em ter um filho. Trata-se de um diagnóstico de infertilidade masculina.

É normal abalar-se ao descobrir que possui esse problema, mas saiba que se trata de um fator cada vez mais comum no Brasil e cerca de 2% dos homens apresentam o diagnóstico.

Mas é preciso ter calma, pois existem tratamentos avançados, bem como inúmeras alternativas para o casal realizar o sonho de ter um bebê.

Entenda no que consiste a azoospermia, quais são os tipos existentes, principais causas e tratamentos mais indicados.

O que é azoospermia e quais são os tipos

Caracteriza-se pela ausência de espermatozoides no esperma, sendo dividida em dois tipos:

Obstrutiva

Neste caso, os espermatozoides são produzidos, mas não chegam ao canal por conta de um bloqueio, impedindo a saída do material ejaculado. Esse bloqueio pode acontecer por diversos fatores diferentes.
Este é o tipo mais comum, presente em 15% dos homens inférteis.

Não obstrutiva

Ocorre quando o problema está na ausência de produção dos espermatozoides, mas nada impede a passagem deles para o canal de saída. O homem consegue ejacular normalmente, mas no sêmen não contêm espermatozoides.

Principais causas da azoospermia

Não existe uma causa única para o desenvolvimento do problema. Em muitos casos, é considerada idiopática (sem causa conhecida). Os principais motivos encontrados são:

Obstrutiva:

  • Infecções como: uretrite, epididimite, prostatite e a inflamação no escroto ou no testículo, que levam ao fechamento ou impactam os canais condutores do sêmen;
  • Obstrução dos canais deferentes (tubos que transportam o esperma);
  • Vasectomia;
  • Doenças genéticas.

Não obstrutiva:

  • Anomalia cromossômica (Síndrome de Klinefelter);
  • Excesso de substâncias como tabaco, álcool, drogas e anabolizantes;
  • Varicocele (pode diminuir o oxigênio e aumentar a temperatura nos testículos, causando a diminuição da produção de espermatozoides);
  • Traumas com origem em pancadas ou acidentes.
  • Disfunções hormonais;
  • Reações autoimunes (presença de anticorpos anti-espermatozoide);
  • Tratamentos por quimioterapia e radioterapia, que interferem na produção e maturação dos espermatozoides.

Sintomas e diagnóstico da azoospermia

Não existem sintomas aparentes. É possível obter um diagnóstico pelo exame espermograma, que demonstra a qualidade do sêmen e as propriedades dos espermatozoides.

Diferentemente do que muitos pensam, a azoospermia não gera impotência sexual, ou seja, o homem pode ter ejaculação e ereção normais, e mesmo assim, apresentar o diagnóstico.

Principais tratamentos disponíveis

Caso seja possível detectar na amostra de sêmen algum espermatozoide em condições de fertilizar o óvulo, utiliza-se o procedimento Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides (ICSI), no qual o espermatozoide é introduzido diretamente no óvulo por meio da Fertilização In Vitro (FIV).

Se não existirem espermatozoides no sêmen, é possível obtê-los cirurgicamente no interior do testículo por meio de punção testicular.

Lembrando que o tratamento dependerá diretamente da causa do problema, e que apenas um médico especialista poderá indicar a melhor solução para o seu caso.

A azoospermia pode causar insegurança, desconforto e desânimo, mas é preciso ter calma, pois há diversas soluções para este problema. Seguindo as orientações médicas, o casal poderá encontrar a melhor forma de aumentar a família e trazer ainda mais felicidade à sua vida.

Gostaria de saber mais sobre casos de  infertilidade e como tratá-los? Confira esse artigo sobre infertilidade femina!

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS