Diagnóstico
13 de novembro de 2017

A importância do Diagnóstico correto antes de fazer a FIV –

uando estamos com um problema, é necessário saber a causa dele para buscar a solução, certo? Sem saber o real motivo da sua existência, o processo de saná-lo torna-se mais desafiador e a dúvida passa a incomodar todos os dias. Além disso, deixar o problema de lado pode aumentá-lo ainda mais, tornando até mesmo impossível a sua solução.

Exatamente por isso o diagnóstico é tão importante para pessoas com infertilidade, mesmo que não estejam planejando realizar o tratamento logo em seguida. Saber o problema é prevenir algo pior e ter a tranquilidade de poder buscar o tratamento quando for o melhor momento. O diagnóstico é a alma da medicina, para todos os casos. Sem ele, a cura torna-se distante.

Entenda por que é importante seguir as orientações do seu médico quanto à realização dos exames para diagnóstico de infertilidade.

Por que é importante fazer exames?

Reprodução humana assistida é uma ciência de detalhe, logo, todos os exames são importantes. Porém, é preciso entender que, mesmo tendo realizado todos os exames necessários, nem sempre se descobre exatamente a raiz do problema e, mesmo assim, a gravidez acontece. E é isso é o que realmente importa para quem está tendo dificuldades, certo?

Se a gravidez não ocorre após um ano de tentativas, existe uma anormalidade, mesmo os exames dizendo que está tudo normal. Porém, os exames são a única maneira de se descobrir o que está impedindo a gravidez e se existe algum risco à saúde relacionado à infertilidade, que precisa ser tratado imediatamente.

Apenas com esses resultados é possível construir a estratégia ideal para a vinda do bebê. No Ibrra, por exemplo, mesmo os exames não tendo alteração, a equipe trabalha considerando todas as possibilidades.

Como o diagnóstico é realizado?

A consulta de infertilidade começa em uma conversa com o médico especialista. Quando você vai a uma consulta de infertilidade, você passa por uma avaliação clínica, ou seja, o médico realiza várias perguntas clínicas para você e seu parceiro.

As respostas conduzem à linha de raciocínio necessária ao encontro do melhor tratamento. Logo após, o casal passa por um exame de ultrassom, cujo resultado irá somar informações. Em seguida, vários exames são solicitados, de acordo com o que o médico concluiu que é necessário analisar.

Com todos os resultados em mãos, o médico obtêm subsídio para falar se o casal apresenta um quadro de infertilidade. São mostrados ao casal quais parâmetros estão normais e quais não estão. No Ibrra, mesmo considerando todos os resultados, a equipe trabalha como se o quadro fosse o mais complicado, ou seja, as ações são realizadas na mais alta performance.

O diagnóstico ajuda no sucesso do tratamento

O sucesso do tratamento depende diretamente do diagnóstico. Se você identifica erroneamente a causa de um problema, muito provavelmente não será assertivo no tratamento. Se a clínica foca, por exemplo, em apenas no homem ou na mulher, pode ser que esteja errando em 30% no caso.

Mesmo que a pessoa já venha com a certeza de um diagnóstico (por exemplo, uma endometriose comprovada), é preciso levar em conta outros fatores, porque a causa pode não ser essa. Assim, quando se erra, erra-se numa probabilidade muito menor.

Deu para entender como o diagnóstico é fundamental, certo? Se você quer saber mais sobre o que os exames podem dizer sobre a fertilidade de um casal, leia este artigo.

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS