Melhor idade para engravidar: isso existe mesmo?
14 de dezembro de 2017

Melhor idade para engravidar: isso existe mesmo?

O avanço da idade não é bem aceito por muitas pessoas, principalmente por mulheres. O medo de envelhecer, a insatisfação com as mudanças que o corpo sofre e o receio de não conseguir ter filhos no momento esperado fazem parte da vida de muitos casais.

O fato é que não existe melhor idade para ser feliz. É possível realizar sonhos, ter momentos inesquecíveis e alcançar inúmeros objetivos em todas as idades, mas é preciso saber que, infelizmente, existe uma melhor idade para engravidar, porque o corpo tem suas limitações.

Não se desanime com essa notícia. Existem soluções altamente acessíveis que podem ajudar homens e mulheres a engravidar no melhor momento, assim como tratar os casos de infertilidade devido ao avanço da idade.

Continue com a gente, que vamos explicar como o envelhecimento afeta a fertilidade e qual o melhor momento para aumentar a família.

Melhor idade para engravidar: por que isso existe

De uma maneira geral, vamos entender como o corpo humano se modifica com o passar dos anos:

  • A taxa de hormônios cai gradativamente, incluindo os hormônios sexuais, fundamentais para a fecundação e gestação do bebê;
  • A mulher deixa de menstruar por volta dos 40 anos, o que determina suas condições de engravidar;
  • A qualidade do embrião formado após a fecundação também se reduz;
  • As células envelhecem, inclusive os gametas femininos e masculinos, responsáveis pela fecundação (a contagem de óvulos cai, assim como sua qualidade; os espermatozoides, apesar de serem produzidos da mesma maneira, também perdem qualidade com o passar do tempo).

Bom, esse são os principais motivos. Agora vamos às melhores soluções.

Fator tempo: melhores opções de tratamento para engravidar

A Fertilização in Vitro (FIV) é, sem dúvidas, a opção mais procurada por casais nessa situação, e consiste nos seguintes passos:

  • Estimulação do ovário para a produção de óvulos;
  • Retirada dos óvulos do corpo da mulher;
  • Fecundação do óvulo em laboratório;
  • Transferência do embrião já fecundado para o útero da mulher.

Mesmo com a FIV, as chances de engravidar após os 35 anos são menores. Confira algumas estatísticas:

  • Antes dos 35 anos e com uma fertilidade normal, as chances de engravidar durante cada ciclo de ovulação giram em torno de 25%;
  • No climatério (fase anterior à menopausa), caem para 10%;
  • As chances de engravidar pela FIV aos 20 anos é de 10%; aos 35 anos, é de 60% e, aos 40 anos, a probabilidade é de 40%.

Por isso, o congelamento de óvulos deve ser realizado até os 35 anos. Esse tratamento consiste na coleta em laboratório e no esfriamento rápido conhecido como vitrificação, que mantém as células intactas e aumenta a taxa de aproveitamento na FIV para mais de 90%, uma vez que as propriedades dos óvulos se mantêm.

Afinal, qual é a melhor idade para engravidar?

Até os 35 anos, o corpo feminino em bom estado de saúde possui condições ideais para gerar um filho de maneira natural. Um corpo masculino começa a ter a qualidade dos espermatozoides comprometida entre 55 e 60 anos.

Com a FIV, é possível que uma mulher engravide até os 43 anos, mesmo as taxas não sendo tão positivas e havendo riscos de gravidez múltipla.

Se você deseja realizar o sonho de aumentar a família no melhor momento, saiba que o Ibrra está de portas abertas para te ajudar. Entre em contato com a gente!

 

Dr. Bruno Scheffer

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

Últimos posts por Dr. Bruno Scheffer (exibir todos)

COMENTÁRIOS