LAPAROSCOPIA
25 de setembro de 2017

Laparoscopia – Qual a importância desse exame?

Os órgãos abdominais possuem papel crucial no funcionamento do organismo, principalmente no que diz respeito à fertilidade. E os exames são os principais recursos para se saber as condições de cada órgão do corpo. Por isso a laparoscopia é tão importante, principalmente para as mulheres tentantes. Entenda o que esse exame é capaz de revelar e como ele pode ajudar você.

O que é laparoscopia?

Laparoscopia se referia a um exame cujo objetivo consistia em verificar as condições do abdômen. A propósito, o termo “laparos”

Então, o que é videolaparoscopia? A evolução da tecnologia permitiu que ao aparelho utilizado na laparoscopia fosse acoplada uma minicâmera na extremidade. Portanto, o nome do procedimento passou a ser “videolaparoscopia”.

Até tempos recentes, a videolaparoscopia era utilizada apenas para diagnóstico ou retirada de pequenas porções de tecido para biópsia. Atualmente, permite praticar intervenções cirúrgicas.

Laparoscopia: como funciona

A laparoscopia é uma intervenção cirúrgica minimamente invasiva e indolor, pois é realizada sob anestesia geral. Considerando a realização na região do abdômen feminino, consiste basicamente nas seguintes etapas:

  • Introduz-se uma agulha através do umbigo para inserção de gás carbônico. Essa técnica permite melhor visualização dos órgãos do aparelho reprodutor, evitando, dessa maneira, qualquer lesão durante o procedimento;
  • Executa-se uma pequena incisão para introduzir o laparoscópio (aparelho formado por um fino tubo de fibras óticas, através do qual pode-se visualizar os órgãos internos e fazer intervenções diagnósticas ou terapêuticas);
  • As imagens são transmitidas para os monitores;
  • Quando são identificadas obstruções, é realizada a cirurgia para tratar o que foi identificado. Nesses casos, são feitas pequenas incisões que permitem introduzir, além do laparoscópio, pequenos instrumentos cirúrgicos (pinças, por exemplo);
  • Após a cirurgia, o gás é retirado do abdômen e as pequenas incisões cirúrgicas são suturadas.

Principais indicações 

A laparoscopia pode identificar e tratar:

  • Endometriose;
  • Miomas e cistos uterino;
  • Doença inflamatória pélvica (infecção bacteriana que acomete o trato genital feminino superior, incluindo o útero, as tubas uterinas e os ovários);
  • Gestação ectópica (gestação que se desenvolve fora da cavidade uterina, principalmente nas tubas uterinas);
  • Infertilidade feminina de causa desconhecida;
  • Apendicite;
  • Dor abdominal de origem desconhecida.

Também pode ser útil para retirada de um órgão danificado.

Vantagens e riscos da laparoscopia

Por se tratar de uma cirurgia menos invasiva, possibilita:

  • Menor período de internação hospitalar;
  • Recuperação pós-operatório mais rápida;
  • Redução da taxa de infecções e a ocorrência de aderências pós-operatórias;
  • Menos dor e sangramento no período pós-operatório;
  • Cicatrizes menores ou até imperceptíveis.

Como qualquer procedimento cirúrgico, envolve riscos, mas são extremamente raros: uma ou duas mulheres de cada 100 desenvolvem alguma complicação, que normalmente é leve.

Os riscos mais comuns são: infecção pós-operatória e irritação da pele, hematomas próximos à região das incisões, perfuração de órgãos ou hemorragias vaginais. O importante é escolher uma clínica de confiança e um profissional capacitado para seu conforto e segurança.

Se você deseja saber mais sobre exames fundamentais, leia este artigo sobre o que é Hiteroscopia Cirúrgica e fique informado!

Dr. Bruno Scheffer

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS