Endometrioma o que é
19 de dezembro de 2017

Endometrioma: o que é e como impacta as chances de engravidar?

Endometrioma: esse nome não é tão estranho, certo? Mas não o confunda com endometriose, pois são coisas diferentes. A endometriose caracteriza-se pela presença do endométrio (tecido que reveste o interior do útero) fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga.

O endometrioma acomete principalmente o ovário, e pode influenciar nas chances de gravidez da mulher. Entenda as diferenças de endometriose e endometrioma, a relação entre essas duas disfunções, como tratar o endometrioma e como engravidar apresentando esse problema.

O que é endometrioma

Trata-se de um cisto preenchido por sangue escuro envelhecido e tecido endometrial, tipicamente marrom, que acomete principalmente o ovários. Seu desenvolvimento se dá devido a uma lesão decorrente de endometriose profunda nos ovários. Essa é a principal relação entre endometrioma e endometriose.

Por sua vez, o endometrioma de parede abdominal pode surgir com maior frequência após uma cesárea. Os cistos (que podem chegar até a 7 centímetros) se desenvolvem a partir de células do endométrio e se fixam principalmente na superfície do ovário, podendo acometer apenas um ou os dois ao mesmo tempo.

O diagnóstico é realizado por meio de ultrassonografia transvaginal e, por isso, a mulher costuma receber antes o diagnóstico inicial de endometriose. Alguns sinais podem ser sentidos pela paciente:

  • Dor pélvica no lado em que o cisto está localizado;
  • Cólica menstrual intensa;
  • Alteração da menstruação;
  • Dor durante a relação sexual;
  • Infertilidade.

Principais tratamentos do endometrioma

O tratamento dependerá dos sintomas e do tamanho do cisto:

  • Endometriomas com menos de 3 cm que não causam sintomas geralmente não necessitam de tratamento específico, apenas acompanhamento médico;
  • Para os maiores de 3 cm, medicamentos ou até mesmo a cirurgia (que pode ser realizada por laparoscopia) para retirada pode ser indicada;
  • O tratamento do endometrioma de parede abdominal é a cirurgia aberta para retirar o endometrioma e soltar as aderências dos tecidos.

Mesmo com todos os cuidados, em alguns casos, o cisto volta a aparecer. Esses tratamentos costumam aliviar os sintomas e solucionar o problema, mas é comum a fertilidade da mulher ficar comprometida. Entenda melhor.

Como o endometrioma impacta a fertilidade feminina

O endometrioma interfere na fertilidade da mulher considerando os seguintes contextos:

  • Afeta o ciclo menstrual, reduzindo a maturação dos folículos e o número de óvulos;
  • Endometriomas maiores podem diminuir a quantidade de folículos ovarianos (que originam os óvulos), reduzindo a ovulação;
  • Após a cirurgia para retirada do cisto, pode acontecer uma redução da reserva ovariana.

Sendo assim, esse cisto pode influenciar diretamente as chances de uma gravidez espontânea, e, inclusive, as técnicas de reprodução assistida, como a FIV. Neste caso, a resposta à estimulação ovariana pode não ser a mesma após a cirurgia de retirada do cisto.

Mas tudo dependerá do caso da paciente. Caso ela não apresente sintomas, pode ser que o médico indique a estimulação ovariana para incentivar a gravidez espontânea ou realize todos os exames até chegar à conclusão de que a melhor solução é a FIV.

Visite um médico regularmente e esteja atenta aos sinais do seu corpo. Cólicas extremamente fortes não são normais. Saiba mais sobre os indícios da endometriose neste artigo.

Dr. Bruno Scheffer

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS