Rede Óvulo Doação
16 de fevereiro de 2018

App Rede Óvulo Doação: encontre doadoras ou receptoras com o perfil ideal

Ter um filho é uma das decisões mais importantes na vida de qualquer pessoa. No entanto, a etapa pode se tornar mais difícil com a descoberta de algum cenário de infertilidade. O diagnóstico, muitas vezes inesperado, acaba requerendo tratamentos mais específicos para alcance da gravidez.

Na maioria dos casos, a infertilidade está relacionada à quantidade ou qualidade adequadas do óvulo, o que pode significar precisar recorrer à Doação de Óvulos, um tratamento cada vez mais frequente na Reprodução Humana.

A Doação de Óvulos acontece por meio da Fertilização in Vitro (FIV) e, no Brasil, é possível realizá-la com a doação voluntária. Essa doação pode ser realizada em dois casos. No primeiro, envolve uma mulher que precisa realizar o tratamento, tem menos de 35 anos, verifica através de exame que tem os óvulos sadios, mas constata que o problema de infertilidade é do marido.

Neste caso, metade dos óvulos dela pode ser doada para outra mulher de forma altruísta ou com ajuda do custeio do seu tratamento pela receptora, que pode pagar parte ou todo o tratamento.

A segunda opção, possibilitada após atualização na Resolução nº 2.168/2017, envolve mulheres abaixo de 35 anos que querem ajudar outras mulheres. Elas passam pelos exames de verificação, em um check-up geral, e doam de maneira anônima e sem caráter comercial.

Os métodos de doação aumentam as chances de bons óvulos para a receptora e democratizam o acesso para quem não pode pagar pelo tratamento. Ah, e com o procedimento, a mulher que recebe os óvulos vive toda a gravidez e parto, é capaz de amamentar, e sedimenta, intensamente, a ligação com seu filho.

No entanto, para que haja a doação, é importante haver compatibilidade entre as características da doadora e da receptora, levando em consideração traços genéticos, sociais e até familiares. O que pode fazer com que o processo de procura pela doadora ideal demore mais que o esperado. 

Por isso, para facilitar esse encontro e tornar todo o processo mais ágil, o Ibrra lança o Aplicativo Rede Óvulo Doação. Nele, você pode se cadastrar, criando seu perfil como doadora ou receptora, e conhecer perfis de outras mulheres em todo o país por meio de um cadastro nacional exclusivo.

App Rede Óvulo Doação

Como funciona o App Rede Óvulo Doação?

O App Rede Óvulo Doação foi pensado e desenvolvido para reunir informações úteis de mulheres em todo o país que buscam a gravidez por meio da Fertilização in Vitro, que possuem óvulos para doação ou precisam de óvulos para elevar as chances de sucesso do tratamento.

Com ele, as oportunidades de compartilhamento de óvulos se ampliam, já que fica muito mais fácil conhecer outras mulheres que possuam características semelhantes às suas.

Assim, ao se cadastrar no aplicativo, você cria seu perfil, informando dados genéticos, físicos, sociais e familiares e pode encontrar, ou ser encontrada, por outras mulheres, visitando e marcando como favoritos os perfis que mais gostou.

Ah, e fique tranquila: todas as informações são sigilosas, preservando sua identidade!

Além disso, o aplicativo Rede Óvulo Doação permite que você registre e acompanhe o seu ciclo menstrual e ainda agende sua consulta, simplificando o contato com o Ibrra.

A Rede Óvulo Doação está disponível para dispositivos Android e iOS e pode ser baixada pela Apple Store ou no Google Play. Faça o download e fortaleça essa rede tão importante que tem o propósito de viabilizar o seu sonho de ser mãe.

Dr. Bruno Scheffer

Dr. Bruno Scheffer

Médico Pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. Master em Reprodução Humana Pela Faculdade de Medicina da Universidade de Valência (Espanha). Especialista em Medicina Reprodutiva pelo Instituto Valenciano de Infertilidade (Espanha). Editor chefe do Tratado de Reprodução Humana Assistida. Membro Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida. Membro do European Society of Human Reproduction and Embryology
Dr. Bruno Scheffer

COMENTÁRIOS